Anedotas Club

Anedotas de Religião

3 / 16

Não havia!

Um muçulmano devoto entra num táxi. Uma vez sentado, pede ao taxista para desligar o rádio, porque não quer ouvir música, como decretado na sua religião, e porque no tempo do profeta não havia música, especialmente música ocidental, que é música dos infiéis.

O motorista do táxi educadamente desliga o rádio, sai do carro, dirige-se à porta do lado do cliente e abre-a. O árabe pergunta:

- O que é que você está a fazer?

- No tempo do profeta não havia táxis, por isso saia e espere pelo próximo camelo!

Mais anedotas de Religião

Alentejano no aeroporto

Um alentejano ia pela primeira vez fazer uma viagem de avião, quando um computador com voz, que fazia a identificação dos passageiros, lhe cativa atenção.

Mal o alentejano passou, o computador acusou: "Manuel, 52 anos, português, casado, passageiro do voo 1455 da TAP".

Impressionado, o Manuel vai ao WC, rapa o bigode e muda de camisa. Ao passar pelo computador a voz acusou novamente: "Manuel, 52 anos, português, casado, passageiro do voo 1455 da TAP".

Mas o Manuel não se deu por vencido. Voltou ao WC, fez uma maquilhagem perfeita, colocou uma peruca e um vestido de mulher. E pensou:

- Agora sempre quero ver se a porcaria da máquina me reconhece…

Ao passar, o computador diz: "Manuel, 52 anos, português, casado, por causa das suas paneleirices, acaba de perder o voo 1455 da TAP".

Maldita carne!

A esposa, grávida, acorda durante a noite e chama o marido:

- Amor... amor!

- O quê?!

- Acorda!

- O que é?!

- Acorda!

Desorientado e assustado, o marido levanta-se e pergunta:

- O que é que aconteceu?!

- Estou com um desejo.

- Desejo?

- Sim... de comer carne de corvo!

- Corvo? Mas onde é que eu vou arranjar um corvo agora?

- Vai ao zoo.

- Estás maluca?! Não vou agora ao zoo. Vou, mas é pintar um frango de preto e depois comes.

- Não vou comer carne de corvo, mas vais-te arrepender se o nosso filho nascer com carinha de corvo.

Passam-se nove meses, chega o dia do parto e, quando o homem vai ver o seu querido filho, vê que o seu herdeiro é pretinho, mesmo pretinho. Meio apanhado, cheio de remorsos, corre para casa da mãe a lamentar-se:

- Mãe, eu não quis dar carne de corvo à minha mulher quando ela estava grávida e sentiu esse desejo, e agora o meu filho nasceu preto como o corvo.

A mãe, bem-humorada, acaba por tentar consolar o filho:

- Não chores meu filho! Quando eu estava grávida de ti, tive desejo de comer carne de boi, não consegui... e tu nasceste assim… corno, mas só agora é que se começou a notar.

Não há peixes!

Uma loira ouviu dizer que o máximo da diversão é pescar no gelo. Ela compra todos os livros a respeito, vai para Nova Iorque, compra o equipamento necessário e escolhe um bom lugar para começar a pescaria.

Depois de se instalar, ela começa a fazer um buraco no gelo. De repente uma voz vinda do céu avisa:

- "NÃO HÁ PEIXES DEBAIXO DO GELO".

Estupefacta, a loira se desloca para o lado e começa a fazer outro buraco.

Outra vez uma voz vinda do céu avisa:

- "NÃO HÁ PEIXES DEBAIXO DO GELO".

Preocupada, a loira levanta-se, vai para o lado oposto do gelo, e começa a fazer outro buraco. E, mais uma vez, uma voz vinda do céu avisa:

- "NÃO HÁ PEIXES DEBAIXO DO GELO".

Ela para, olha para o céu e diz:

- É o Senhor, meu Deus?

A voz responde:

- Não, daqui é o gerente do ringue de patinação.