Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

18 / 91

Não há razão para alarme!

Num avião de uma companhia internacional, um dos reatores rebenta no ar. Os passageiros entram em pânico. Logo a seguir rebenta outro. O pânico acentua-se. Da cabine dos pilotos vem a mensagem apaziguadora do comandante:

- Senhores passageiros, não há razão para alarme, agradeço que permaneçam nos seus lugares, a situação está completamente controlada.

Nisto rebenta o terceiro reator. O chefe da cabine sai a correr do fundo do avião com três mochilas na mão. Um dos aflitos passageiros arranja interpela-o:

- Desculpe, isso que leva aí é o quê?

- São para-quedas para a tripulação… – responde o tripulante.

Exclama o passageiro:

- Mas o capitão acabou de dizer que está tudo sob controle!

E responde o tripulante:

- E está! Nós vamos só sair um bocadinho para ir buscar ajuda…

Mais anedotas de Ignorância

Não havia!

Um muçulmano devoto entra num táxi. Uma vez sentado, pede ao taxista para desligar o rádio, porque não quer ouvir música, como decretado na sua religião, e porque no tempo do profeta não havia música, especialmente música ocidental, que é música dos infiéis.

O motorista do táxi educadamente desliga o rádio, sai do carro, dirige-se à porta do lado do cliente e abre-a. O árabe pergunta:

- O que é que você está a fazer?

- No tempo do profeta não havia táxis, por isso saia e espere pelo próximo camelo!

Mesmo ninguém?

Um tipo fez análise durante cinco anos, até que descobriu que ele, o pai, o avô e os cinco tios tinham tendências homossexuais. O psicólogo estupefacto perguntou-lhe:

- Mas não há ninguém na sua família que goste de mulheres?

- Claro que há! As minhas quatro irmãs!

A piscina

O hospício estava lotado, e os médicos precisavam urgentemente de saber quem é que já podia ir embora. Então eles colocaram todos os loucos para saltar de um trampolim para uma piscina. Só que ela estava vazia.

O primeiro saltou e caiu no chão. O segundo, o terceiro, e todos os outros também caíram para o fundo da piscina. Depois chega a vez de mais um louco. Ele sobe ao trampolim, olha para baixo e volta para trás. O médico pensou: "Olha, este pode sair. Não saltou."

- Porque é que não saltaste? - pergunta o médico ao louco.

- Não conte a ninguém, mas é que eu não sei nadar.