Anedotas Club

Anedotas de Polícia

12 / 14

Segundos de loucura

Um tipo comprou um Mercedes e estava a dar uma volta numa estrada municipal à noite. A capota estava recolhida, a brisa soprava levemente pelo seu cabelo e ele decidiu puxar um bocado pelo carro. Assim que a agulha chegou aos 130 km, ele de repente reparou nas luzes azuis por trás dele.

- "De maneira alguma conseguem acompanhar um Mercedes" - pensou ele para consigo mesmo, e acelerou ainda mais.

A agulha bateu os 150, 170, 180 e, finalmente, os 200 km/h, sempre com as luzes atrás dele. Entretanto teve um momento de lucidez e pensou:

- "Mas que raio é que eu estou a fazer?!" - e logo de seguida encostou.

- O polícia chegou ao pé dele, pegou na carta de condução sem dizer uma palavra e examinou o carro.

- Eu tive um turno bastante longo e esta é a minha última paragem. Não estou com vontade de tratar de mais papeladas, por isso, se me der uma desculpa pela forma como conduziu que eu ainda não tenha ouvido, deixo-o ir!

- Na semana passada a minha mulher fugiu de casa com um polícia - disse o homem - e eu estava com medo que a quisesse devolver!

Diz o policia:

- Tenha uma boa noite!

Mais anedotas de Polícia

Aluno "bom" para o pai

O miúdo chega a casa todo contente e diz ao pai:

- Pai, tenho boas notícias!

- Aí sim? Ora conta lá.

- Lembras-te do computador que me prometeste se eu passasse de ano?

- Sim...

- Já não precisas de gastar dinheiro!

Encontrei uma carteira!

O Joãozinho chega a casa com uma carteira e diz:

- Pai, achei essa carteira com dinheiro dentro, mas tem o nome do dono nela. Eu devolvo para o dono ou gasto o dinheiro?

O pai diz:

- Não devolvas nada, podes gastar tudo, é teu. O dono que se dane.

Joãozinho, seguindo a dica do pai, gasta tudo. Algumas horas depois, o pai curioso pergunta:

- Você disse que aquela carteira tinha o nome do dono nela, afinal de contas de quem ela era?

E o Joãozinho responde:

- Tua.

À espera

Era dia de exames de rotina no hospício para ver se havia algum louco que podia ser libertado. Assim que foi dado o sinal, todos os funcionários começaram a gritar:

- O HOSPÍCIO ESTÁ INUNDANDO! O HOSPÍCIO ESTÁ INUNDANDO!

Imediatamente os loucos atiraram-se ao chão e começaram a nadar freneticamente. Ao ver que um continuava sentado num banco, com um ar de sossego, o médico perguntou:

- Por que é que tu não estás a nadar?

E o louco respondeu:

- Você pensa que eu sou tonto?

Aí o médico pensou:

"Este já deve estar bom."

E o louco continua:

- Vou esperar pelo barco!