Anedotas Club

Anedotas de Loiras

3 / 39

Costa mais próxima

Numa ilha estavam presas uma loira, uma morena e uma ruiva.

A costa mais próxima estava a 50 quilómetros de distância, mas mesmo assim decidem testar a sorte e chegar até à costa a nado.

A ruiva nada 15 quilómetros, mas acaba por se afogar e morre.

A morena ainda consegue nadar 24 quilómetros, mas também acaba por se afogar e morrer.

Já a loira consegue nadar 25 quilómetros, mas acabou por se cansar e decidiu voltar para trás.

Mais anedotas de Loiras

Sem preocupações

Um bêbado estava bebendo num bar e, de repente, chegou um menino desesperado e disse:

- Senhor, as cheias estão a levar o seu carro!

Sem ficar muito preocupado responde:

- Mas como se a chave está aqui?!

Um para mim, um para ti

Numa cidade do interior havia uma figueira carregada dentro do cemitério.

Dois amigos decidiram entrar lá à noite (quando não havia vigilância) e levar todos os figos.

Eles saltaram o muro, subiram a árvore com as mochilas penduradas no ombro e começaram a distribuir o prémio:

- Um para mim, um para ti. Um para mim, um para ti.

- Meu, deixaste cair dois para o lado de fora do muro!

- Não faz mal, depois de nós terminarmos aqui vamos buscar os outros dois.

- Então está bem, mais um para mim, um para ti.

Um bêbado, passando do lado de fora do cemitério, ouviu esse negócio de "um para mim e um para ti" e saiu correndo para a esquadra.

Chegando lá, contou para o polícia:

- Guarda, vem comigo! Deus e o Diabo estão no cemitério dividindo as almas dos mortos!

- Ah, cala a boca bêbado, vai dormir!

- Juro que é verdade! Vem comigo!

Os dois foram até o cemitério, chegaram perto do muro e começaram a ouvir:

- Um para mim, um para ti.

O guarda assustado:

- É verdade! É o dia do Apocalipse! Eles estão dividindo as almas dos mortos! O que será que vem depois?

- Um para mim, um para ti. Pronto, acabamos aqui. E agora?

- Agora nós vamos lá fora e levar os dois que estão do outro lado do muro.

- Cooooorrrreeeee… Poooooorrrrrra!

Nem aumenta, nem diminui!

Depois de dez anos, a moça do Censo voltou a uma pacata cidade e, depois de falar com todos os habitantes chegou à surpreendente conclusão que a população continuava exatamente a mesma!

Nem aumentou, nem diminuiu!

Espantada com o fato a moça foi perguntar à moradora mais antiga da cidade:

- Por acaso a senhora sabe explicar como isso pode acontecer?

- É muito simples! - afirmou a velhinha - Cada vez que nasce um bebê na cidade, foge um rapaz!