Anedotas Club

Anedotas de Alentejanos

11 / 29

Cinquenta anos de casado

Dois alentejanos encontram-se na rua.

- Atão compadre, que cara é essa?

- Ah Zé, tou aqui que na sei! Hoje faço cinquenta anos de casado!...

- Eh Maneli, parabéns, e atão o que vais dar a tua Maria?

- Olha quando fizemos vinte e cinco anos levei-a a Lisboa...

- Grande ideia...

- Agora na sei se a vá buscari.

Mais anedotas de Alentejanos

Erros à alentejana

Para testar a personalidade de um alentejano, o dono da empresa mandou pagar 500 euros a mais no salário dele.

Os dias passam e o funcionário não diz nada.

No mês seguinte, o patrão faz o inverso: manda tirar 500 euros.

Nesse mesmo dia, o funcionário entra na sala para falar com ele:

- Engenheiro, acho que houve um engano e tiraram-me 500 euros do meu salário.

- Ah?! Curioso porque no mês passado eu paguei-lhe 500 euros a mais e você não comentou nada!

- Pois, mas um erro eu ainda tolero, agora dois acho um abuso!!!

Já chegamos!

Três bêbados entram num táxi. O taxista reparou que não estavam no seu perfeito juízo… Ligou o motor do carro, acelerou sem sair do lugar e disse:

- Já chegamos.

O primeiro bêbado pagou, o segundo agradeceu e o terceiro bateu no taxista. O taxista perguntou:

- Porque me bates?

O bêbado responde:

- Da próxima modere a velocidade porque quase nos matavas!

O baú

O João casou-se com a Joana e no dia do casamento a Joana levou para casa um grande baú. Pediu para que João respeitasse a sua individualidade e nunca abrisse o baú. Durante 50 anos de casamento, o João nunca abriu o baú. No entanto, o João não aguentou e perguntou à Joana o que tinha naquele baú. Ela resolve mostrar o baú. Ao abrir, João viu 60 mil euros e quatro batatas. Curioso, perguntou porquê quatro batatas. Ela confessa:

- De cada vez que te trai, coloquei uma batata no baú.

O João ficou furioso, mas pensou um pouco e disse para si mesmo:

- Vou perdoar… Quatro batatas em 50 anos, significam uma traição a cada 12,5 anos. Então ele perguntou o que significavam os 60 mil euros. Responde a Joana:

- Sempre que o baú ficava cheio de batatas, eu vendia-as.