Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

4 / 93

Adormecer

Num café, estão dois amigos a conversar:

- Sabes, quando eu era pequeno, o meu pai tinha a mania de me mandar para o ar para adormecer.

Responde o amigo:

- Ai era?! E tu adormecias?

- Claro! O teto era baixo!

Mais anedotas de Ignorância

As drogas na Terra

Jesus, muito preocupado, chama os seus discípulos para uma reunião de emergência dado o alto consumo de drogas na Terra.

Depois de muito pensar, chegam à conclusão de que o melhor para poderem enfrentar o problema é provar a droga eles mesmos e depois tomar as medidas adequadas.

Decide-se que uma comissão de discípulos desça ao mundo e recolha diferentes drogas.

Efetua-se a operação secreta e dois dias depois começam a regressar os comissários.

Jesus espera à porta do céu quando chega o primeiro discípulo:

- Quem é? - diz Jesus.

- Sou Paulo.

Jesus abre a porta.

- E o que trazes, Paulo?

- Trago haxixe de Marrocos.

- Muito bem, filho. Entra.

- Quem é?

- Sou Marcos.

- E o que trazes, Marcos?

- Trago marijuana da Colômbia.

- Muito bem, filho. Entra.

- Quem é?

- Sou Mateus.

- E o que trazes, Mateus?

- Trago cocaína da Bolívia.

- Muito bem, filho. Entra.

- Quem é?

- Sou João.

Jesus abre a porta e pergunta de novo:

- E tu, o que trazes, João?

- Trago crack de Nova Iorque.

- Muito bem, filho. Entra.

- Quem é?

- Sou Lucas.

- E o que trazes, Lucas?

- Trago speeds de Amesterdão.

- Muito bem, filho. Entra.

- Quem é?

- Sou Judas.

Jesus abre a porta.

- E tu, o que trazes, Judas?

- TRAGO A JUDICIÁRIA! TODOS CONTRA A PAREDE!

Risco no sete

Até os nossos dias, muita gente, quando escreve o número sete, coloca um traço na metade da perna do algarismo.

Qual será a origem desse costume?

Para responder, temos que voltar muitos séculos atrás, aos tempos bíblicos, quando Moisés estava no Monte Sinai e lhe foram ditados os dez mandamentos.

Em voz alta, ele foi anunciando para a multidão, um por um.

Quando chegou no sete, Moisés disse:

- Não desejarás a mulher do próximo!

Fez-se um breve silêncio… e a multidão rompeu, gritando em coro:

- Risca o sete, risca o sete!

A rusga

Zé da Boina, que estava só devido à maternidade da sua mulher, vai a uma casa de meninas e saca logo três para a cama.

Entretanto vem a rusga da polícia e grita:

- O que se passa aqui e quem são vocês?

Diz uma delas:

- Eu sou cabeleireira!

Diz a outra:

- Eu sou manicura!

Por fim diz a terceira:

- Eu sou pédicure!

Zé da Boina assustado grita:

- Mauuu… Querem ver que a p*** aqui sou eu!?