Anedotas de Ignorância

5 / 95

Um fogo difícil

Uns bombeiros foram imediatamente chamados para extinguir as chamas.

O fogo estava cada vez mais forte, e os bombeiros não conseguiam dominar as chamas.

A situação já estava a ficar fora de controlo, quando alguém sugeriu que se chamasse um grupo voluntário vizinho.

Apesar de alguma dúvida quanto às capacidades e equipamento dos voluntários, seria mais uma forma de auxílio.

Assim foi.

Os voluntários chegaram num camião velho, desgastado pelos anos e operações de combate.

Passaram em grande velocidade e dirigiram-se em linha reta para o centro do incêndio!

Foram mesmo até ao meio das chamas e pararam.

Estupefacta a população assistiu a tudo.

Os voluntários saltaram todos para fora do camião e começaram a pulverizar freneticamente em todos os sentidos.

Como estavam mesmo no meio do fogo, as chamas dividiram-se, e restaram duas porções facilmente controláveis.

Impressionado com o trabalho dos voluntários, o dono do monte respirou de alivio quando viu a sua herdade ser poupada à devastação das chamas.

Na hora pôs as mãos na algibeira e passou imediatamente um cheque de 5.000 euros à corporação voluntária.

Um repórter do jornal local perguntou logo ao comandante dos bombeiros:

- 5.000 euros! Já pensou o que vai fazer ao dinheiro?

- Penso que é óbvio, não é? - responde o comandante a sacudir a cinza do capacete - a primeira coisa que vamos fazer é arranjar a porcaria dos travões do camião!

Mais anedotas de Ignorância

Já chegamos!

Três bêbados entram num táxi.

O taxista reparou que não estavam no seu perfeito juízo.

Ligou o motor do carro, acelerou sem sair do lugar e disse:

- Já chegamos.

O primeiro bêbado pagou, o segundo agradeceu e o terceiro bateu no taxista.

O taxista perguntou:

- Porque me bates?

O bêbado responde:

- Da próxima modere a velocidade porque quase nos matava!

Comer menos

O João tinha acabado de tirar o curso de médico e foi aprender com um médico profissional. Quando vão para fazer a primeira consulta, o médico diz:

- Vê como eu faço a consulta para tu aprenderes.

Entram na casa de uma idosa e o médico pergunta:

- O que é que a senhora tem?

- Tenho dores de cabeça e de estômago - responde a idosa.

- A senhora come muitas bananas, não come? - pergunta o médico.

- Sim, como.

- Então vai ter de comer menos - diz o médico.

Saem de casa da senhora e o João, curioso como sempre, pergunta ao médico como sabia que a senhora comia muitas bananas.

- Quando eu deixei cair a caneta, vi que no balde do lixo estavam lá cinco cascas de banana.

- Está bem - diz o João - para a próxima faço eu a consulta.

Foram a casa de uma senhora acamada e o João pergunta:

- O que é que tem?

- Dói-me o corpo todo - diz a senhora.

- A senhora vai muitas vezes à missa, não vai?

- Vou.

- Então vai ter de ir menos vezes.

Fora da casa da senhora o médico pergunta ao João como é que sabia que a senhora ia muitas vezes à missa.

- É que, quando eu deixei cair a caneta, vi o padre debaixo da cama.

É tudo mentira… o que a minha sogra diz!

O Guarda manda o sujeito parar o carro.

- Os seus documentos, por favor! O senhor estava a 130 km/h e a velocidade máxima nesta estrada é 100.

- Não, senhor Guarda, eu estava a 100, com certeza. A sogra dele corrige:

- Ah, Chico, o que é isso?! Você estava a 130 ou mais!

O sujeito olha para a sogra com o rosto fervendo.

- E sua lanterna direita não está funcionando…

- A minha lanterna? Nem sabia disso. Deve ter pifado na estrada…

A sogra insiste:

- Ah, Chico, que mentira! Você estava dizendo há semanas que precisava de consertar a lanterna!

O sujeito fica fulo e faz sinal à sogra para ficar quieta.

- E o senhor está sem o cinto de segurança.

- Mas eu estava com ele. Eu só tirei para pegar os documentos!

- Ah, Chico, deixe disso! Você nunca usa o cinto!

O sujeito não se contém e grita para a sogra:

- CALE-SE DE UMA VEZ!

O Guarda inclina-se e pergunta à senhora:

- Ele grita sempre assim com a senhora?

Ao que ela responde:

- Não, senhor Guarda! Só quando ele bebe.