Anedotas Club

Anedotas de Família

47 / 56

Traição

Numa pequena cidade do interior, uma mulher entra em uma farmácia e fala ao farmacêutico:

- Por favor, quero comprar arsénico.

- Arsénico? Mas, não posso vender isso assim, sem mais nem menos! Qual é a finalidade?

- Matar meu marido.

- Para este fim, piorou, minha senhora. Eu não posso vender…

A mulher abre a bolsa e tira uma fotografia do marido, na cama com a mulher do farmacêutico.

- Ah boooom!… Com receita é outra coisa!

Mais anedotas de Família

O mais importante!

Quando o Papa veio em visita ao Brasil, uma noite estava meio sem ter o que fazer, desceu escondido e entrou na limusina posta à sua disposição.

O motorista, que estava descansando no banco traseiro tomou um susto.

- Sua santidade, me desculpe. Onde posso levá-lo?

- Fique à vontade meu filho. Estou querendo dirigir, coisa que nunca me deixam.

E lá se foi a limusina com o Papa na direção.

Avenida larga, o Papa pisou fundo no acelerador.

Um policial vendo a limusina acima da velocidade permitida intercetou-a com a motocicleta.

Com a limusina parada, o policial aproximou-se e bateu na janela do motorista.

O Papa de imediato a abriu.

O policial deu uma olhada, mandou o Papa aguardar e voltou à moto.

Ligou o rádio para a Central.

- Alô central. Eu intercetei uma limusina com a pessoa mais importante do mundo e não sei o que fazer.

- Certo, entraremos em contacto com a embaixada americana e resolveremos esse problema com o Presidente.

- Não, central, não é o Presidente, é muito mais importante.

- O que foi que o Bill Gates andou aprontando? Apreenda a limusina que dinheiro para esse cara não quer dizer nada.

- Não, não é o Gates, central. É o cara mais importante do mundo "mesmo"!

- Mas que droga. Afinal quem foi que você parou?

- Só para vocês terem ideia, o motorista dele é o Papa.

Presidente da República e a tragédia

O Presidente da República faz uma visita a uma escola e entra numa sala de aula no meio de uma discussão sobre significado das palavras.

A professora pergunta ao Presidente se ele gostaria de conduzir o tema na discussão da palavra "Tragédia".

Ele aceita e pede à turma que lhe dê um exemplo de tragédia.

Um garoto se levanta e diz:

- Se meu melhor amigo está brincando na rua e um carro o atropela, isto seria uma tragédia.

- Não - diz o Presidente - isto seria um acidente.

Uma rapariga levanta a mão.

- Se um autocarro escolar levando cinquenta crianças - pergunta ela - caísse na ribanceira, matando todo mundo, isto seria uma tragédia?

- Também não - explica o Presidente - Neste caso, seria uma grande perda.

A sala fica em silêncio.

Nenhum voluntário.

O Presidente olha para a turma:

- Não há ninguém aqui que pode me dar um exemplo de tragédia?

Finalmente, lá no fundo da sala, o Joãozinho levanta a mão.

Com uma voz tranquila ele diz:

- Se o avião presidencial, levando o senhor e a sua mulher, fosse atingido por um míssil, matando todos os ocupantes, isto seria uma tragédia!

- Fantástico! - exclama o Presidente - correto! E você pode me dizer por que seria uma tragédia?

- Bem, - diz o Joãozinho - porque não seria um acidente, e também não seria uma grande perda!

Lugares estranhos

O paciente chega ao médico a chorar com dores e diz:

- Doutor, parti o meu braço em dois lugares. Preciso de ajuda. O que eu faço?

O médico olha nos olhos do paciente e diz:

- Olha, rapaz, eu acho melhor você não voltar a esses lugares.