Anedotas Club

Anedotas de Família

28 / 56

Um regresso complexo

O camionista passou muito tempo viajando e chegou a casa de madrugada. Como estava com saudades, correu para o quarto, agarrou a esposa e fez amor com ela: 3 vezes.

Quando acabou, foi para a cozinha beber água. Chegando lá encontrou a esposa tomando café.

Intrigado perguntou:

– Amor, tu não estavas agora mesmo no quarto?

– Não, aquela é mãe que veio me fazer companhia enquanto você viajava.

– Teresa! Pelo amor de Deus!

Você nem imagina o que aconteceu! Cheguei morrendo de saudades de ti, corri para o quarto, estava escuro e pensando que fosses tu e fiz amor três vezes com a tua mãe.

A esposa indignada foi correndo para falar com a mãe.

– Mãe! É verdade que o Pedro fez três vezes amor com você, pensando que fosse eu?

– Foi.

– E a senhora não disse nada?

– Tu sabes muito bem que eu não falo com ele há 5 anos, não era agora que eu ia falar!

Mais anedotas de Família

A loira e o casaco de peles

Um sujeito entra numa loja de peles com uma loira espetacular. Ele diz ao vendedor:

- Quero que você dê a esta moça a mais linda estola de pele que você tiver nesta loja.

O vendedor mostra algumas à moça, que acaba se decidindo por uma.

Discretamente, o vendedor diz ao sujeito:

- Esta daqui custa 22 mil euros.

- Sem problema! - diz o homem - Emito-lhe já um cheque!

O vendedor desculpa-se:

- O senhor tem que entender que só posso lhe entregar a estola depois que o cheque for compensado. Como hoje é sexta-feira, terá que ser na segunda-feira.

- Entendo perfeitamente! - diz o sujeito - Venho pegá-la na segunda-feira!

Na segunda-feira o sujeito volta na loja.

O vendedor diz-lhe:

- Sinto muito, senhor, mas seu cheque voltou por falta de fundos.

- Eu já sabia. - diz o sujeito. - Eu só vim agradecer-lhe pelo mais fabuloso fim-de-semana da minha vida!

Um para mim, um para ti

Numa cidade do interior havia uma figueira carregada dentro do cemitério. Dois amigos decidiram entrar lá à noite (quando não havia vigilância) e levar todos os figos. Eles saltaram o muro, subiram a árvore com as mochilas penduradas no ombro e começaram a distribuir o prémio:

- Um para mim, um para ti. Um para mim, um para ti.

- Meu, deixaste cair dois para o lado de fora do muro!

- Não faz mal, depois de nós terminarmos aqui vamos buscar os outros dois.

- Então está bem, mais um para mim, um para ti.

Um bêbado, passando do lado de fora do cemitério, ouviu esse negócio de "um para mim e um para ti" e saiu correndo para a esquadra. Chegando lá, contou para o polícia:

- Guarda, vem comigo! Deus e o Diabo estão no cemitério dividindo as almas dos mortos!

- Ah, cala a boca bêbado, vai dormir!

- Juro que é verdade! Vem comigo!

Os dois foram até o cemitério, chegaram perto do muro e começaram a ouvir...

- Um para mim, um para ti.

O guarda assustado:

- É verdade! É o dia do Apocalipse! Eles estão dividindo as almas dos mortos! O que será que vem depois?

- Um para mim, um para ti. Pronto, acabamos aqui. E agora?

- Agora nós vamos lá fora e levar os dois que estão do outro lado do muro.

- Cooooorrrreeeee... Poooooorrrrrra!

Calma!

A professora aponta para o mapa e diz:

- Hoje vamos até à Argentina!

Diz o Joãozinho:

- Ó professora, espere só um bocadinho que eu tenho de avisar a minha mãe!