Anedotas Club

Anedotas de Família

29 / 56

Um regresso complexo

O camionista passou muito tempo viajando e chegou a casa de madrugada.

Como estava com saudades, correu para o quarto, agarrou a esposa e fez amor com ela 3 vezes.

Quando acabou, foi para a cozinha beber água.

Chegando lá encontrou a esposa tomando café.

Intrigado perguntou:

- Amor, tu não estavas agora mesmo no quarto?

- Não, aquela é mãe que veio me fazer companhia enquanto você viajava.

- Teresa! Pelo amor de Deus!

Você nem imagina o que aconteceu!

Cheguei morrendo de saudades de ti, corri para o quarto, estava escuro e pensando que fosses tu e fiz amor três vezes com a tua mãe.

A esposa indignada foi correndo para falar com a mãe.

- Mãe! É verdade que o Pedro fez três vezes amor com você, pensando que fosse eu?

- Foi.

- E a senhora não disse nada?

- Tu sabes muito bem que eu não falo com ele há 5 anos, não era agora que eu ia falar!

Mais anedotas de Família

Desejos no deserto

Uma loira, uma morena e uma ruiva estão perdidas no deserto.

Encontram uma lamparina, e depois de a esfregar, um génio acaba por sair e concede um desejo a cada uma.

A ruiva pede:

- Eu quero regressar a casa.

Então o génio a faz regressar a casa.

Então a morena diz:

- Quero ir para casa ter com a minha família.

A mesma regressa a casa com a sua família, e depois a loira pede:

- Gostava que as minha amigas estivessem aqui comigo…

O poste

Um bêbado está pendurado num poste cantando, até que chega um Guarda e diz:

- Desça já daí!

O bêbado desce e o Guarda pergunta:

- Quem é você?

- Já não se lembra de mim? Sou o mesmo de lá de cima!

Um a dez

Um psicólogo estava a fazer testes para a admissão de candidatos para uma empresa.

Entra o primeiro candidato:

- O senhor pode contar até dez, por favor?

- Dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um.

- Por que é que contou de trás para a frente?

- É que eu trabalhava na NASA.

- Sinto muito, mas está reprovado.

Entra o segundo candidato:

- O senhor pode contar até dez, por favor?

- Um, três, cinco, sete, nove, dois, quatro, seis, oito, dez!

- Por que você contou primeiro os ímpares e depois os pares?

- Porque eu trabalhava como carteiro.

- Sinto muito, mas está reprovado.

Entra o terceiro e último candidato:

- Bem, antes de começarmos, pode-me dizer o que fazia no emprego anterior?

- Era funcionário público.

- Ok! O senhor pode contar até dez, por favor?

- É claro! Dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, valete, dama, rei e ás.