Anedotas Club

Anedotas de Alentejanos

6 / 29

Um bom negócio!

Disseram a um alentejano que a água do mar fazia bem às varizes.

O homem foi à praia e encheu um garrafão.

Ao passar pelo nadador-salvador, perguntou-lhe:

- Quanto é?

O nadador-salvador, na brincadeira, responde-lhe:

- Cinquenta cêntimos!

O alentejano paga e vai-se embora.

Passados uns dias o alentejano passa novamente pela praia quando a maré estava baixa e exclama:

- Eh, lá… Isto é que é negócio!

Mais anedotas de Alentejanos

Desejos no deserto

Uma loira, uma morena e uma ruiva estão perdidas no deserto.

Encontram uma lamparina, e depois de a esfregar, um génio acaba por sair e concede um desejo a cada uma.

A ruiva pede:

- Eu quero regressar a casa.

Então o génio a faz regressar a casa.

Então a morena diz:

- Quero ir para casa ter com a minha família.

A mesma regressa a casa com a sua família, e depois a loira pede:

- Gostava que as minha amigas estivessem aqui comigo…

Ferramentas

Chamado às pressas no meio da noite, o médico chega todo cansado à casa de um empresário, cuja esposa estava acamada.

- Com licença - diz ele, expulsando todas as pessoas do quarto. - preciso ficar só, com a paciente!

Apreensivo, o marido fica do lado de fora do quarto.

Ouve alguns barulhos estranhos, e depois de alguns minutos o médico enfia a cabeça pela porta e pergunta ao marido:

- O senhor tem um alicate?

O marido vai buscar um alicate.

A porta torna a se fechar.

Mais barulhos estranhos e alguns minutos depois, novamente a cabeça do médico aparece na soleira da porta:

- O senhor tem uma chave de fendas?

Espantado, o marido vai buscar a chave de fendas.

Passam-se mais alguns minutos:

- O senhor tem um serrote?

E o marido, desesperado:

- Serrote? O caso dela é tão grave assim?

- Ainda não sei - explica o médico - não consigo abrir a minha mala!

Escorregamento na calçada

Numa certa paróquia havia, para as confissões, um código conhecido por todos os moradores, que era utilizado pelas mulheres quando se confessavam, fazendo com que em vez de dizerem que tinham praticado o adultério diziam antes que tinham escorregado na calçada.

Após alguns anos no serviço, o padre dessa paróquia, já com alguma idade, decidiu reformar-se mas esqueceu-se de falar sobre o código ao substituto.

Durante o confessionário, e sem saber da existência do código, o padre não sabia que penitência dar porque não via qualquer mal numa escorregadela na calçada.

Ao longo das semanas a ouvir sempre a mesma expressão decidiu que tinha de intervir.

Assim acabou por ir falar com o Presidente da Câmara da região:

- Boa tarde Sr. Presidente, eu vim falar consigo para resolver o problema das calçadas do município. Eu acho que elas estão a precisar de obras, muita gente anda a queixar-se de escorregar na calçada.

O Presidente, sabendo do significado, nada disse, apenas começou a rir-se.

O padre inconformado nem esperou por uma resposta:

- Olhe que não se devia rir de assuntos sérios, é só perguntar à sua esposa, que só esta semana já escorregou três vezes.