Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

6 / 93

Um a dez

Um psicólogo estava a fazer testes para a admissão de candidatos para uma empresa.

Entra o primeiro candidato:

- O senhor pode contar até dez, por favor?

- Dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um.

- Por que é que contou de trás para a frente?

- É que eu trabalhava na NASA.

- Sinto muito, mas está reprovado.

Entra o segundo candidato:

- O senhor pode contar até dez, por favor?

- Um, três, cinco, sete, nove, dois, quatro, seis, oito, dez!

- Por que você contou primeiro os ímpares e depois os pares?

- Porque eu trabalhava como carteiro.

- Sinto muito, mas está reprovado.

Entra o terceiro e último candidato:

- Bem, antes de começarmos, pode-me dizer o que fazia no emprego anterior?

- Era funcionário público.

- Ok! O senhor pode contar até dez, por favor?

- É claro! Dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, valete, dama, rei e ás.

Mais anedotas de Ignorância

Estupidez genética

Dois homens estão à conversa num bar:

- O meu filho é mais estúpido do que o teu!

- Não é nada! - respondeu o outro.

- Queres apostar?

- Tudo bem. Apostamos 20 euros!

- Ok. Gaspar, anda cá.

- Sim, pai.

- Toma estes 5 euros e vai ali à loja comprar uma televisão a cores.

- Está bem - respondeu o rapaz, saindo depois do bar com os 5 euros na mão.

O outro homem, por sua vez, chama o seu filho e diz-lhe:

- Tomás, vai lá a casa, num instante, e vê se eu lá estou.

- Está bem, pai - responde o filho, saindo igualmente do bar.

Os dois miúdos encontram-se na rua, por acaso, e comentam um com o outro:

- O meu pai é mais estúpido do que o teu!

- Não é nada! O meu é que é!

- Ah, sim? É que o meu pai deu-me 5 euros para comprar uma televisão a cores, e nem sequer disse qual era a cor que queria!

- Então e o meu? - continua o outro - disse-me para ir a casa ver se ele lá estava, e nem sequer me deu a chave!

Pouco tempo

Uma mulher pessimista vai ao posto de saúde, é atendida e pergunta para o médico:

- Doutor, quanto tempo eu tenho?

O médico responde:

- Você tem pouco tempo.

- Então quer dizer que eu posso morrer a qualquer momento?

- Não, é que eu tenho outras pessoas para atender.

Vai uma dança?

Começou a música e um bêbado levantou-se cambaleando, dirigiu-se a uma senhora de preto e pediu:

- Hic… A madame me dá o prazer desta dança?

E ouviu a seguinte resposta:

- Não, por quatro motivos:

1.º O senhor está bêbado!
2.º Isto é um velório!
3.º Não se dança o Pai Nosso!
4.º Porque “Madame” é a p*** que te p*riu… Eu sou o padre!