Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

5 / 91

Um a dez

Um psicólogo estava a fazer testes para a admissão de candidatos para uma empresa. Entra o primeiro candidato:

- O senhor pode contar até dez, por favor?

- Dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um.

- Por que é que contou de trás para a frente?

- É que eu trabalhava na NASA.

- Sinto muito, mas está reprovado.

Entra o segundo candidato:

- O senhor pode contar até dez, por favor?

- Um, três, cinco, sete, nove, dois, quatro, seis, oito, dez!

- Por que você contou primeiro os ímpares e depois os pares?

- Porque eu trabalhava como carteiro.

- Sinto muito, mas está reprovado.

Entra o terceiro e último candidato:

- Bem, antes de começarmos, pode-me dizer o que fazia no emprego anterior?

- Era funcionário público.

- Ok! O senhor pode contar até dez, por favor?

- É claro! Dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, valete, dama, rei e ás.

Mais anedotas de Ignorância

Doações urgentes

Um motorista está preso num engarrafamento na avenida que passa ao lado da Assembleia. Nenhum carro se movimentava. De repente, um polícia bate na sua janela. O motorista abre o vidro e pergunta:

- O que está a acontecer?

E o polícia explica:

- Há terroristas dentro da Assembleia e têm os deputados como reféns. Para libertar, estão a pedir 10 milhões de euros de resgaste. Caso contrário, eles vão pôr gasolina em tudo e queimar a Assembleia com todos os deputados lá dentro. Por isso estamos passando de carro em carro e pedindo doações urgentemente.

E o motorista pergunta:

- E quanto em média cada pessoa está doando?

O polícia responde:

- Por volta de uns 5 litros.

A pior qualidade!

Duas loiras, que se achavam muito inteligentes, estavam a conversar:

- Olha, qual é que é para ti o pior defeito: a ignorância ou a indiferença?

E responde a outra:

- Não sei, e nem me interessa!

Calma!

A professora aponta para o mapa e diz:

- Hoje vamos até à Argentina!

Diz o Joãozinho:

- Ó professora, espere só um bocadinho que eu tenho de avisar a minha mãe!