Anedotas de Loiras

37 / 39

O puzzle

Uma loira telefona para o namorado que estava a trabalhar e diz-lhe:

- Querido, eu tenho aqui um puzzle, mas não consigo fazê-lo… todas as peças são iguais, todas do mesmo formato.

O namorado responde-lhe:

- Mas tu tens a caixa do puzzle? Como é que é o desenho na caixa?

E a loira:

- Bom, a caixa tem um galo, que é todo vermelho… mas eu pura e simplesmente não consigo fazer o puzzle.

E o namorado:

- Tudo bem, não te preocupes, hoje à noite vamos tentar os dois fazê-lo.

À noite encontram-se os dois para fazer o puzzle, ele olha para a caixa e… um grande silêncio.

Então, diz o namorado:

- Bom, querida, agora vamos colocar os cereais todos dentro da caixa e não falamos mais sobre este assunto…

Mais anedotas de Loiras

Salta!

Num avião estão recrutas de paraquedas que estão a fazer o seu primeiro salto.

No meio deles, haviam alguns que ficavam com medo e deixavam de querer saltar.

Apesar dessa situação, o instrutor acabava por os empurrar sempre para fora do avião.

Mais perto do fim da lição, quando faltavam dois, o penúltimo acaba por dar imensa luta, mas isso não impediu o instrutor de o empurrar também para fora.

O último recruta acaba por rir às gargalhadas e o instrutor vira-se e pergunta:

- Tu achas que a covardia é engraçada?

O recruta responde:

- Não, mas esse era o piloto - e o recruta salta.

Estiveste sempre comigo!

Um homem estava em coma algum tempo, a sua esposa ficava ao pé dele dia e noite.

Até que um dia o homem acorda, faz um sinal para a mulher, para se aproximar e sussurrar-lhe:

- Durante todos estes anos você esteve ao meu lado. Quando me licenciei, você ficou comigo. Quando a minha empresa faliu, só você ficou lá e me apoiou. Quando perdemos a casa você ficou perto de mim. Quando perdemos o carro também estavas comigo. E desde que fiquei com todos estes problemas de saúde, você nunca me abandonou. Sabes uma coisa?

Os olhos da mulher encheram-se de lágrimas:

- Diz amor!

- Acho que tu me dás azar!

Presidente da República e a tragédia

O Presidente da República faz uma visita a uma escola e entra numa sala de aula no meio de uma discussão sobre significado das palavras.

A professora pergunta ao Presidente se ele gostaria de conduzir o tema na discussão da palavra "Tragédia".

Ele aceita e pede à turma que lhe dê um exemplo de tragédia.

Um garoto se levanta e diz:

- Se meu melhor amigo está brincando na rua e um carro o atropela, isto seria uma tragédia.

- Não - diz o Presidente - isto seria um acidente.

Uma rapariga levanta a mão.

- Se um autocarro escolar levando cinquenta crianças - pergunta ela - caísse na ribanceira, matando todo mundo, isto seria uma tragédia?

- Também não - explica o Presidente - Neste caso, seria uma grande perda.

A sala fica em silêncio.

Nenhum voluntário.

O Presidente olha para a turma:

- Não há ninguém aqui que pode me dar um exemplo de tragédia?

Finalmente, lá no fundo da sala, o Joãozinho levanta a mão.

Com uma voz tranquila ele diz:

- Se o avião presidencial, levando o senhor e a sua mulher, fosse atingido por um míssil, matando todos os ocupantes, isto seria uma tragédia!

- Fantástico! - exclama o Presidente - correto! E você pode me dizer por que seria uma tragédia?

- Bem, - diz o Joãozinho - porque não seria um acidente, e também não seria uma grande perda!