Anedotas de Ignorância

40 / 95

Metades

Um tipo encontra um amigo que lhe devia uma certa importância em dinheiro e diz-lhe:

- Mais vale perder algum dinheiro, que perder um amigo. E, para que vejas como estou a ser sincero, eu esqueço metade da importância que me deves.

O outro:

- Obrigado! De facto, os verdadeiros amigos são mesmo assim! E eu, como não quero ficar atrás, também esqueço a outra metade!

Mais anedotas de Ignorância

Refrigerantes

Uma loira entra num casino e, logo à entrada, vê uma máquina de refrigerantes.

Mete uma moeda de 50 cêntimos e sai uma lata de refrigerante.

Mete outra e sai outra lata, e assim sucessivamente.

Entretanto, um homem chega e diz-lhe:

- Desculpe lá, mas a senhora vai beber isso tudo?

Ela responde:

- Schiu, não me interrompa que estou a ganhar!

Aparelho auditivo

Após testar por uma semana o novo aparelho auditivo, o idoso regressa ao médico.

- O senhor está gostando do aparelho? - pergunta o médico.

- Está funcionando que é uma maravilha - responde o senhor.

O médico pergunta:

- E o que é que a sua família achou de o senhor voltar a ouvir?

E o senhor responde:

- Bem, eu ainda não contei a eles, mas já mudei o meu testamento três vezes.

Que dores de cabeça!

Um mágico trabalhava num navio, fazendo espetáculos para os passageiros.

O público era diferente a cada semana, pois o mágico repetia sempre os mesmos truques.

O papagaio do capitão via os shows e começava a entender como o mágico fazia os truques.

Quando ele entendia um truque, começava a gritar no meio do espetáculo:

- Olha, não olhem para o mesmo chapéu!
- Olha, ele está escondendo as flores debaixo da mesa!
- Hei, porque é que todas as cartas são Às de Espada?

O mágico ficava furioso, mas não podia fazer nada.

Afinal de contas era o papagaio do capitão.

Então, um dia o navio afundou.

O mágico acabou agarrado a um pedaço de madeira no meio do mar e por capricho do destino, junto do papagaio.

Eles olharam um para o outro com ódio, mas não proferiram palavra alguma.

Isto continuou por vários dias.

Finalmente, no quinto dia, o papagaio não se conteve e disse:

- Ok, eu desisto! Onde é que enfiaste o navio?