Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

37 / 91

Metades

Um tipo encontra um amigo que lhe devia uma certa importância em dinheiro e diz-lhe:

- Mais vale perder algum dinheiro, que perder um amigo. E, para que vejas como estou a ser sincero, eu esqueço metade da importância que me deves.

O outro:

- Obrigado! De facto, os verdadeiros amigos são mesmo assim! E eu, como não quero ficar atrás, também esqueço a outra metade!

Mais anedotas de Ignorância

Não havia!

Um muçulmano devoto entra num táxi. Uma vez sentado, pede ao taxista para desligar o rádio, porque não quer ouvir música, como decretado na sua religião, e porque no tempo do profeta não havia música, especialmente música ocidental, que é música dos infiéis.

O motorista do táxi educadamente desliga o rádio, sai do carro, dirige-se à porta do lado do cliente e abre-a. O árabe pergunta:

- O que é que você está a fazer?

- No tempo do profeta não havia táxis, por isso saia e espere pelo próximo camelo!

Poderia aguardar um momento?

Um jovem advogado recém-licenciado, montou um luxuoso escritório num prédio de alto padrão, e colocou na porta uma placa dourada: Dr. António Soares - Especialista em Direito Tributário.

No 1º dia de trabalho, chegou bem cedo, vestindo o seu melhor fato, sentou-se atrás da sua escrivaninha, e ficou aguardando o primeiro cliente.

Meia hora depois batem à porta. Ele pede para a pessoa entrar e sentar-se, e rapidamente agarra no telefone fixo e começa a simular uma conversa:

- Mas é claro, Sr. Mendonça, pode ficar tranquilo! Nós vamos ganhar essa causa! O juiz já deu parecer favorável!... - Sei, sei... Como? Ah, os meus honorários? Não se preocupe! O senhor pode pagar os outros 50 mil na semana que vem!... - É claro!... O que é isso, sem problemas!... O senhor dá-me licença agora que eu tenho um outro cliente à espera... Obrigado... Um abraço!

Volta a colocar o telefone no sítio e diz:

- Bom dia, o que é que o senhor deseja?

- Eu vim instalar o telefone...

Tem cuidado!

Uma loira viajou para o Rio de Janeiro no fim-de-semana. Antes de partir um amigo deu uma recomendação:

- Tem cuidado, pois no Rio de Janeiro na sombra estão 50 graus!

A loira agradeceu o conselho, mas um mês depois retornou mais bronzeada que um carvão. Ao encontrar o amigo, ele pergunta:

- Eu não te avisei para tu tomares cuidado?

E a loira responde:

- Pois é, tu disseste que na sombra estavam 50 graus e por isso eu andei sempre no lado do sol!