Anedotas de Religião

2 / 20

Lado errado da cama

Num convento de freiras, a madre superiora, rigorosíssima, levanta-se da cama e exclama:

- Que noite maravilhosa! Hoje estou tão feliz que até vou tratar bem as freiras!

Sai do quarto e encontra uma freira no corredor:

- Bom dia, irmã Josefa. Está com muito boa aparência! E que bela camisola está a tricotar!

- Obrigada, madre. A senhora também está muito bem, mas parece que se levantou do lado errado da cama, não?

A madre não gostou nada do comentário, mas continuou.

Mais adiante, encontrou outra freira.

- Bom dia, irmã Maria! Você parece muito bem! E o seu bordado está a ficar lindo. Parabéns!

- Obrigada, madre. A senhora também está com bom aspeto. Mas vê-se que hoje se levantou do lado errado da cama.

A madre superiora ficou furiosa, mas seguiu o seu caminho.

Todas as freiras que encontrava e cumprimentava, respondiam a mesma coisa.

Assim, quando chegou à quinta freira, já estava irritadíssima e resolveu tirar a história a limpo.

- Bom dia, irmã Leonor. Por favor, seja sincera. Eu estou com ar de quem se levantou hoje do lado errado da cama?

- Sim, madre.

- E posso saber porquê?

- É que a senhora calçou as sandálias do padre António, madre.

Mais anedotas de Religião

Um voo aterrorizador

Numa terra no meio do deserto havia um aeroporto com apenas uma ligação à cidade principal.

Por ser uma terra pequena só havia dois pilotos disponíveis para essa ligação, o problema é que estes pilotos eram já idosos e usavam uma pala num olho e bengala, por isso, sempre que entravam no avião no início dos voos, os passageiros acabavam sempre por pensar que era uma piada.

Na porta do avião havia placas que acendiam conforme a situação do voo no início da descolagem que diziam: "500 metros para o fim da pista", "200 metros para o fim da pista", "100 metros para o fim da pista", e finalmente "20 metros para o fim da pista" acabando por fazer os passageiros gritarem:

- Ahhhhhhhhhhhh!

E mesmo no fim da pista o avião acaba por levantar e os passageiros suspiram de alívio.

Na cabine o piloto exclama para o outro:

- Quando eles deixarem de gritar ficamos lixados!

Que dores de cabeça!

Um mágico trabalhava num navio, fazendo espetáculos para os passageiros.

O público era diferente a cada semana, pois o mágico repetia sempre os mesmos truques.

O papagaio do capitão via os shows e começava a entender como o mágico fazia os truques.

Quando ele entendia um truque, começava a gritar no meio do espetáculo:

- Olha, não olhem para o mesmo chapéu!
- Olha, ele está escondendo as flores debaixo da mesa!
- Hei, porque é que todas as cartas são Às de Espada?

O mágico ficava furioso, mas não podia fazer nada.

Afinal de contas era o papagaio do capitão.

Então, um dia o navio afundou.

O mágico acabou agarrado a um pedaço de madeira no meio do mar e por capricho do destino, junto do papagaio.

Eles olharam um para o outro com ódio, mas não proferiram palavra alguma.

Isto continuou por vários dias.

Finalmente, no quinto dia, o papagaio não se conteve e disse:

- Ok, eu desisto! Onde é que enfiaste o navio?

Burrice é passado!

Cansada das brincadeiras sobre a sua burrice, a loira resolveu pintar o cabelo de preto.

Para comemorar o novo visual, foi dar uma volta de carro pelo campo e lá encontrou um pastor de ovelhas.

- Bom dia, senhor pastor! Que lindo rebanho o senhor tem!

- Obrigado!

- Se eu acertar quantas ovelhas há no seu rebanho, eu ganho uma?

- Claro! Duvido que a senhora seja capaz!

- São 627!

- Impressionante! Esse é o número exato de ovelhas do meu rebanho! Pode escolher uma, e ela é sua!

A loira olhou com atenção todas aquelas ovelhas macias e, depois de muito acariciá-las, selecionou uma e quando a estava levando para o carro quando o pastor chamou:

- Senhora! Se eu adivinhar a cor original do seu cabelo, a menina devolve o meu cachorro?