Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

16 / 93

Impossível ler

No consultório, o oculista faz os exames de rotina:

- O que é que está escrito aqui?

E o paciente responde:

- Não sei.

O médico aponta para uma palavra com letras maiores:

- E agora? O que está escrito aqui?

Ele se esforçou, mas não conseguiu ler nada.

O médico aponta então para a palavra com as letras maiores e pergunta:

- O que está escrito aqui?

- Ainda não sei - responde o paciente.

- Bom, só há uma maneira, vamos ter que operar - diz o médico.

Depois da operação, o paciente pergunta ao médico:

- E agora, doutor? O senhor acha que eu vou conseguir ler tudo?

- Claro que sim! A operação foi um sucesso!

E o paciente, todo contente:

- Obrigado, doutor! Como a medicina está avançada! O senhor acredita que antes da cirurgia eu era analfabeto?

Mais anedotas de Ignorância

Um camelo inteligente

Num certo dia entra um homem dentro de uma loja de camelos no meio do deserto.

Após pagar, o comerciante deu as indicações:

- Para ele andar diga "Graças a Deus" e para ele parar diga "Rem".

Após sair da loja, e com o camelo, ele diz "Graças a Deus" e consegue meter o camelo a andar.

Após algum tempo a passear com camelo ele avista uma ravina e já não se lembrava da palavra para parar o camelo.

Estava a três centímetros de cair com o camelo quando ele se lembra e diz "Rem".

Após conseguir sobreviver, e agradecido por ter escapado da morte, diz:

- Graças a Deus!

Não havia!

Um muçulmano devoto entra num táxi.

Uma vez sentado, pede ao taxista para desligar o rádio, porque não quer ouvir música, como decretado na sua religião, e porque no tempo do profeta não havia música, especialmente música ocidental, que é música dos infiéis.

O motorista do táxi educadamente desliga o rádio, sai do carro, dirige-se à porta do lado do cliente e abre-a.

O árabe pergunta:

- O que é que você está a fazer?

- No tempo do profeta não havia táxis, por isso saia e espere pelo próximo camelo!

Alentejano no aeroporto

Um alentejano ia pela primeira vez fazer uma viagem de avião, quando um computador com voz, que fazia a identificação dos passageiros, lhe cativa atenção.

Mal o alentejano passou, o computador acusou: "Manuel, 52 anos, português, casado, passageiro do voo 1455".

Impressionado, o Manuel vai ao WC, rapa o bigode e muda de camisa.

Ao passar pelo computador a voz acusou novamente: "Manuel, 52 anos, português, casado, passageiro do voo 1455".

Mas o Manuel não se deu por vencido.

Voltou ao WC, fez uma maquilhagem perfeita, colocou uma peruca e um vestido de mulher.

E pensou:

- "Agora sempre quero ver se a porcaria da máquina me reconhece…"

Ao passar, o computador diz: "Manuel, 52 anos, português, casado, por causa das suas tretas, acaba de perder o voo 1455".