Anedotas Club

Anedotas de Ignorância

13 / 93

Final feliz

Um homem e uma mulher se envolvem num acidente de grandes proporções: os carros são inteiramente destruídos, mas, por sorte, nenhum dos dois fica ferido.

Depois de conseguirem sair do que restou dos carros, a mulher diz:

- Olha só! Você, um homem, e eu, uma mulher, saímos ilesos de um acidente destes! Só pode ser um sinal de Deus! Ele está nos dando uma oportunidade para nos conhecermos e ficarmos juntos para o resto da vida!

- Concordo - responde o homem - isto deve ser um sinal divino!

A mulher continua:

- E olha só, um outro milagre: o meu carro ficou totalmente destruído, mas esta garrafa de uísque não partiu! Deve ser outro sinal. Vamos beber e comemorar esta sorte.

E ela entrega a garrafa ao homem.

Ele concorda, abre a garrafa, toma alguns goles diretamente da garrafa e devolve o frasco à mulher.

Ela a pega, coloca a tampa de volta, e a devolve ao homem.

Ele não entende o gesto e pergunta:

- Você não vai querer beber?

- Não! Eu vou esperar que a polícia chegue com o bafômetro…

Mais anedotas de Ignorância

Com ela não

Um dia, o filho entra na sala e diz ao pai:

- Pai, estou interessado na filha da vizinha! O que é que achas dela?

O pai acaba por ficar nervoso e diz ao filho:

- Não podes ficar com ela! Há muitos anos atrás traí a tua mãe com a vizinha! A filha da vizinha é tua irmã!

Entretanto a mulher do homem chega a casa e ouve a conversa.

De forma a consolar o filho diz:

- Podes sim filho! Esse aí nem é o teu pai!

Quase que acertava!

Dois amigos encontram-se, diz um:

- Então, estás melhor?

- Estou na mesma! - responde o amigo.

Pergunta o primeiro:

- Então, não foste ao médico que te disse?

Responde o outro:

- Fui…

E o primeiro:

- E o médico acertou o que tinhas?

Responde o segundo:

- Quase! Eu tinha 100 euros… e ele levou-me 90!

O julgamento da toupeira

Um dia na floresta houve um julgamento de uma toupeira que acabou condenada à morte.

Quando o dia da execução chegou, perguntaram-lhe:

- Tem algum último desejo?

Ao que a toupeira respondeu:

- Enterrem-me viva!