Religião

6 / 16

Risco no sete

Até os nossos dias, muita gente, quando escreve o número sete, coloca um traço na metade da perna do algarismo. Qual será a origem desse costume?

Para responder, temos que voltar muitos séculos atrás, aos tempos bíblicos, quando Moisés estava no Monte Sinai e lhe foram ditados os dez mandamentos.

Em voz alta, ele foi anunciando para a multidão, um por um. Quando chegou no sete, Moisés disse:

- Não desejarás a mulher do próximo!

Fez-se um breve silêncio... E a multidão rompeu, gritando em coro:

- Risca o sete, risca o sete!

Mais anedotas de religião

13 / 16

O inferno perfeito

Um homem pacato, morre e vai para o inferno.

Ao chegar lá, ele descobre que há um inferno diferente para cada país e ele decide tentar o que castiga menos para passar a sua eternidade.

Primeiro, ele vai ao inferno alemão, vê uma pequena fila de pessoas e pergunta:

- O que fazem aqui?

- Primeiro põem-te numa cadeira elétrica durante uma hora. Depois põem-te numa cama de pregos por mais uma hora e por fim o diabo alemão vem com um chicote e chicoteia-te até à noite.

O homem não gosta do que ouve e vai tentar a sua sorte noutro inferno. Ele passa pelo inferno dos EUA, da Rússia e muitos mais, mas todos eles praticam o mesmo que o inferno alemão.

Ele continua a andar até que descobre uma grande fila no inferno de Angola, era tão longa que fazia lembrar a missa do papa na cimangola.

Muito intrigado, ele pergunta o que fazem nesse inferno e lhe respondem:

- Primeiro põem-te numa cadeira elétrica durante uma hora. Depois põe-te numa cama de pregos por mais uma hora e por fim o diabo angolano vem com um chicote e chicoteia-te até à noite.

Aí, ainda mais admirado, o homem pergunta:

- Mas é exatamente o mesmo tratamento que fazem nos outros infernos. Porque razão é a fila aqui tão grande?

- Porque aqui nunca há eletricidade, portanto a cadeira elétrica não funciona. Os pregos foram encomendados e pagos, mas nunca foram fornecidos, porque os contentores ainda estão no porto, portanto a cama é muito confortável. E o diabo angolano é trabalhador da função pública, por isso vem apenas para assinar o ponto e depois vai embora e não está para chicotear os mortos.
12 / 16

Padre cai de um escadote

No comboio, uma senhora diz a outra:

- Sabias que o padre está no hospital?

- Não, não sabia. O que foi que lhe aconteceu?

- Parece que caiu do escadote e partiu uma perna.

Na fila da frente estão dois punks que escutam a conversa. Diz um deles ao outro:

- Pá... O que é um escadote?

- Eu sei lá... Já há tanto tempo que não vou à missa...
7 / 16

Uma simples boleia

Uma freira estava andando pela rua quando de repente uma loira lhe ofereceu boleia. Muito agradecida, ela aceitou e entrou no carro. Uma reluzente Ferrari vermelha com estofado de couro.

- Que belo carro a senhora tem – comentou a irmã - deve ter trabalhado ardentemente para tê-lo comprado, não é mesmo???

- Não foi bem assim não, irmã – respondeu a loira – na verdade eu ganhei de um empresário que dormiu comigo por um tempo!

A freira não diz nada. Então ela olha para o banco traseiro e vê um belo casaco de vison…

- O seu casaco de peles é muito bonito! Deve ter custado uma fortuna, não???

- Na verdade não me custou muito… Ganhei por causa de algumas noites que eu passei com um jogador de futebol…

Então a freira não falou mais nada durante toda a viagem. Chegando ao convento ela foi para o quarto e de repente alguém bate na porta.

- Quem é?

- Sou eu! O Padre Osvaldo!!!

- Vai prá puta que pariu, você e suas pastilhas de menta!!!