Anedotas Club

Anedotas de Loiras

26 / 36

Loira passeia por fazenda

Uma loira da cidade está a passear por uma fazenda.

A dada altura ela pergunta ao fazendeiro, que está ao pé dela:

- Porque é que esta vaca não tem cornos?

O homem olha para o animal, coça a cabeça, pensa por uns instantes e diz:

- Bem... O gado pode fazer muitos estragos com os cornos... Às vezes vamos limando os cornos, outras tratamos logo dos animais quando são pequenos, deitando umas gotas de ácido no sítio onde os cornos nascem, e isso já resolve o assunto... Mas respondendo à sua pergunta... Esta vaca em particular... Não tem cornos... Porque é um cavalo...

Mais anedotas de Loiras

Quase rico

Entre amigos, um deles desabafa:

- Tenho mesmo quase tudo para ser rico!

- E o que te falta? – pergunta o amigo.

Responde o primeiro:

- Dinheiro!

Uma corrida

Estava um Fiat Punto a andar na estrada quando de repente devido a uma avaria, para na berma da estrada.

Após algumas horas e sem rede no telemóvel, vê um Ferrari e pede ajuda para ser rebocado.

Depois de montado, devido à baixa velocidade do Fiat, o dono do mesmo, diz que acende os piscas para o Ferrari abrandar de velocidade.

Pelo caminho, o dono do Ferrari aumentava a velocidade e segundos depois o outro acendia os piscas para o Ferrari abrandar.

Alguns minutos depois passa um Lamborghini e com o objetivo de ser mais rápido o Ferrari acelera a fundo.

Com esta corrida só se via os piscas a ligarem e a desligarem do dono do Fiat.

Ao passar pelo radar de velocidade, já na Câmara Municipal, os vigilantes dizem um para o outro:

- Acabaste de ver o que eu vi?

- Sim, estava um Ferrari e um Lamborghini a fazer uma corrida e atrás vinha um Fiat Punto a fazer sinal que queria ultrapassar!

Beijinhos

Num comboio, à frente de um velhinho, ia um casal de namorados na brincadeira. O rapaz aperta o nariz da namorada e pergunta:

- Dói amorzinho?

- Dói - responde ela.

E então ele dá um beijo no nariz da rapariga e pergunta:

- E agora?

- Agora já passou.

Passados alguns instantes, ele aperta a bochecha da rapariga e pergunta:

- Dói?

- Dói.

Então ele dá-lhe um beijo na bochecha e pergunta:

- E agora?

- Agora já passou.

E continuam assim até que o velho que ia atrás deles, já cansado daquilo, diz:

- Ouve lá, boquinha do Espírito Santo, curas hemorroidas?