Anedotas Club

Anedotas de Idosos

9 / 12

Um idoso muito romântico

Um casal de idosos resolve ir a um restaurante para comemorar os 65 anos de casamento.

Dizem ao empregado qual o tipo de comemoração que estão a fazer, e ele dá-lhes um lugar romântico para aproveitar o jantar.

O velho diz:

- Minha Rainha, onde queres sentar-te?

- Aqui, diz a senhora de idade.

- Minha princesa, queres um aperitivo para começar?

- Sim, um Porto, obrigada.

- Meu anjo, o que vais comer?

- Ela pediu a ementa e encomendou.

- Meu Doce, que vinho queres?

O empregado não podia acreditar nos seus ouvidos.

A certa altura, a senhora vai à casa de banho, e o marido diz:

- Vai, minha vida, fico à espera.

O rapaz, surpreendido, pergunta ao velho:

- Há quanto tempo o senhor chama a patroa com palavras tão bonitas? "Minha rainha, meu anjo, minha vida princesa", eu estou admirado.

O velho olha para ele e responde:

- Não consigo lembrar-me do nome dela!!!

Mais anedotas de Idosos

Crianças a bordo de um avião

No avião, o piloto já está farto de ouvir os miúdos de uma escola que não param de fazer barulho.

O homem chama uma hospedeira, que era nova no ofício, e diz-lhe para tratar do assunto.

Ela vai lá atrás e, quando regressa, já não há barulho.

Diz-lhe o piloto:

- Você é fantástica. Como é que fez?

- Ah, foi fácil. Abri a porta e disse-lhes que podiam ir para o recreio.

Isso é pecado!

Um agricultor que estava trabalhando pesado, vê um alentejano deitado numa rede, no maior descanso.

O agricultor não resiste e diz:

- Sabia que a preguiça é um dos setes pecado capitais?

E o alentejano, sem se mexer, responde:

- E a inveja é o quê?

Quem conseguirá?

A CIA resolveu recrutar um atirador. Após uma série de seleções, entrevistas e testes escolheram três candidatos: 1 francês, 1 inglês e 1 português. Para a escolha final, os agentes da CIA colocaram os candidatos diante de uma porta metálica e entregaram-lhes uma pistola.

- Queremos ter as certezas que seguem as instruções, quaisquer que sejam as circunstâncias. Por trás desta porta vocês vão encontrar a vossa mulher sentada numa cadeira. Têm que a matar.

Responde o francês:

- Estão a falar a sério? Eu jamais mataria a minha mulher!

- Então você não serve, responde a CIA.

Ao inglês deram as mesmas instruções. Ele pegou na arma e entrou na sala. Durante 5 minutos tudo muito calmo. Depois ele regressou com lágrimas nos olhos.

- Tentei, mas não posso matar a minha mulher.

- Você também não está preparado para trabalhar nesta agência. Pegue na sua mulher e vá embora.

Chegou enfim a vez do português! Deram-lhe as mesmas instruções indicando-lhe que teria de matar a sua mulher. Ouviram-se tiros, um estrondo e depois outro. A seguir ouvem-se gritos, barulhos de móveis a partir. Após alguns minutos fica tudo muito calmo. A porta abre-se lentamente e o Português sai, limpa o suor e diz:

- Bem me podiam ter dito que os tiros eram de pólvora seca, não me deram opção, tive de a matar com a cadeira.